Sua marca preferida de moda parou de fazer roupas para você?


Ontem eu estava sapeando no Facebook e acabei me deparando com um post que me chamou muito a atenção. A matéria é uma reflexão sobre o porquê marcas de moda não tem feito roupas para mulheres de 30 anos (adultas). Parei por alguns segundos para entender o título. Sou consultora de estilo e é core no meu trabalho viver enfiada em lojas buscando roupas que atendam perfil, estilo e necessidades dos meus clientes e por isso mesmo me causou certa estranheza ver esta chamada já que no meu dia a dia profissional eu não tenho esta dificuldade.

Venho de mercado de moda e já passei por diferentes áreas, desde modelo, produção de roupas e até pela parte estratégica. E passando por todas estas áreas pude perceber uma coisa básica para quem é do meio, mas que não é obvia para a maioria das pessoas de fora: marcas são feitas para um público alvo.

Quando falo que marcas tem um público alvo, significa que elas escolheram um perfil de compradores para atender com seus produtos. Elas farão roupas, estampas, modelagens, acessórios, marketing, eventos e tudo que envolve seu universo, para agradar aquele grupo escolhido de pessoas. E o grupo pode ser de jovens. E pode ser mais específico ainda: roupas para estes jovens curtirem a vida e não para trabalhar. É uma escolha, estratégia da marca.

Outro ponto são as tendências, principalmente as que aparecem no street style. Muitas marcas não querem perder o bonde das tendências, uma porque vende muito e outra porque não querem parecer desatualizadas. Então acabam incluindo em suas coleções algumas destas peças. Não significando ser toda a coleção assim, com croppeds e recortes esquisitos. E ok ter.

O que vejo acontecendo, através das minhas clientes, amigas e até eu mesma e ainda tem minha constatação reforçada quando leio uma matéria sobre estes pontos é que com o tempo nossas prioridades, atividades, gostos, estilo e corpo mudam. A vida muda, evoluímos. Mas as marcas que costumávamos amar, nem sempre evoluem com a gente. Não no sentido em que pararam no tempo, mas porque elas não podem ou não querem mudar a sua “razão de ser”, seu público, por que nós deixamos de fazer parte dele. Insistimos em comprar em marcas que em um momento da nossa vida conquistaram o nosso coração e fizeram parte da nossa vida, sem perceber que nós é que estamos diferentes, querendo coisas diferentes mas buscando nos mesmo lugares. Mudamos nosso perfil.

Então o convite que faço é olharmos para nós mesmas, para entender em que ponto estamos da vida e o que queremos e então buscarmos marcas que atendam estes nossos desejos e necessidades. Tem muitas marcas maravilhosas por aí, de diferentes perfis, esperando por você. Afinal, alguém vê a Farm fazendo roupas formais? Nem dá para querer né? É fora da essência da marca. E pra mim, o grande problema hoje é a questão dos tamanhos, mas isso é uma outra história…


DEIXE UM COMENTÁRIO

Nome completo

E-mail

Digite sua mensagem aqui


Posts relacionados

Tay na Mídia Coluna Fashionista Revista Elle Brasil

Hoje eu tenho um post muito bacana para escrever! Sobre como foi pra mim voltar depois de muito tempo voltar para às paginas da revista Elle Brasil. Quem acompanha meu trabalho já deve saber que fui modelo por muitos anos...

Leia Mais

Dicas Paris 3 Programas Culturais de Moda Imperdíveis!

Como tenho ido muito à Paris cobrir as semanas de moda, tenho circulado cada vez mais por lá. E programas relacionados a moda acabam sendo uma preferência. E nesta última temporada as dicas Paris de programas culturais de...

Leia Mais

Compras em Paris Curadoria impecável e não obvia da Le BHV

Pertencente ao Grupo da Galerie Lafayette a BHV, (Bazar de L’Hotel de Ville) é uma loja de departamentos menos óbvia aos olhos dos turistas. Diferente das concorrentes Printemps e Bon Marché, que são mais focadas no alto...

Leia Mais